Quando a balança influencia

27 de abr de 2015


Desde que me entendo por gente eu ouço diversas frases do tipo " a gente tem que se aceitar do jeito que é" ," se ame"  e etc e vários etc..
A questão é que isso não é a tarefa mais fácil da vida quando se é influenciada por tudo aquilo que você vê na internet e na televisão. Quando você tem a mente um pouco fraca e precisa de um pouco de atenção, com certeza não é. No final do ano passado eu contei para vocês de quando perdi o meu melhor amigo e o quanto aquilo me mudou por dentro. Em algumas partes negativas e outras positivas até demais. Com ele eu podia ser quem eu realmente era, ele sabia de cada coisa que se passava comigo. Eu passei tanto tempo da minha vida querendo ser aquilo que eu não queria ser, era algo automático. Se todo mundo queria cair no penhasco, eu já estava na fila para me jogar junto. E para completar eu queria me sentir linda, e eu sabia que não era algo fácil de conseguir. Não era algo que eu iria escrever uma carta para o papai noel no fim do ano e ele iria me enviar de presente de natal. Não era algo que eu iria pegar alguma quantia em dinheiro e comprar na primeira farmácia. Claro que dá para comprar maquiagens, hidratantes e diversas coisas, mas o meu padrão de beleza estava estagnado na balança. Se eu fosse magra, eu seria bonita. Se eu fosse bonita, eu teria amigos. Se eu tivesse todos esses amigos, eu seria feliz.
Os meios que procurei a minha beleza foram os piores possíveis, eu podia ter feito uma dieta, podia ter procurado uma academia, podia ter feito uma aula de dança. Mas eu me sentia tão mal, e fui ficando tão triste, que passei a me esconder e quando eu me dei conta, passava horas e horas sem comer. A minha cabeça estava uma bagunça e por um minuto eu cheguei a pensar que aquilo era uma " evolução do meu corpo". Só que essa " evolução" me levou a ruína. Havia dias em que eu não aguentava levantar da cama. Eu me deparava com a minha família chorando e pedindo para que eu parasse e eu não sabia o que fazer. Devo dizer que tive um meio tempo de felicidade. Eu tinha uma calça jeans que eu era apaixonada, e ela era número 38. Eu vivia usando ela, onde quer que eu ia. Até que um dia eu fui usar e ela ficou larga. Precisei colocar um cinto para me sentir confortável para andar, aquilo para mim foi sensacional. Um passo para o 36 e eu estava feliz da vida.
Os meses foram se passando, e devido a fraqueza comecei a ser proibida de sair sozinha, comecei a não conseguir andar de salto alto, comecei a precisar de alguém sempre por perto porquê a minha pressão caia de uma hora pra outra, comecei a perder tudo aquilo que eu amava. Até que um belo dia, no meio de uma partida de futebol na aula de educação física, eu acabei passando mal. Logo no futebol, algo que eu amava compartilhar e brincar durante as aulas. E depois de uns 10 minutos, ao retomar a consciência, eu percebi o que eu estava fazendo com a minha vida.
O meu cabelo estava horrível e sem força, minhas unhas quebradiças e minha vida uma bagunça sem fim. Eu decidi cuidar de mim, dar um break na minha vida, na minha mente e recomeçar tudo de novo. E eu preciso dizer o quanto eu tenho medo de recomeços, o quanto pra mim sempre foi difícil ter que começar do 0 novamente. Eu conquistei o número 36, a minha felicidade momentânea e alguns amigos novos. Mas eu queria uma única coisa dali em diante. Eu queria ser feliz.
Sem ponto ou vírgula, eu só queria ir atrás. Decidi me cuidar, reformular minha alimentação, afastar de mim quem só queria me jogar pra baixo e trazer pra perto todos aqueles que o meu coração julgava ser verdadeiro. Eu troquei a cor do meu cabelo pela primeira vez em anos, eu comecei a separar o que eu gostava e o que eu detestava.Já havia me cansado de ouvir uma banda que as músicas nunca faziam sentido pra mim  só pra me sentir "parte da galera ". Havia me cansado também de comer salada quase todo dia sendo que o que eu queria mesmo era comer um super hambúrguer do MC Donalds com bastante molho. Como também havia me cansado de ver séries de terror, eu odiava aquilo com todas as minhas forças, então enchi o meu computador com todos os meus gêneros favoritos de séries e filmes. Eu aprendi - na marra- a gostar de mim, a me olhar no espelho e não ver um monstro de sete cabeças com todas as celulites na minha perna. Aprendi que eu não preciso usar tudo aquilo que eu não gosto e nem ser aquilo que eu não sou para ter mais pessoas do meu lado. Aprendi que a vida ela nunca vai ser do jeito que a gente planeja de madrugada antes de dormir, pode ser bem parecida, como ela também pode te surpreender te mostrando coisas novas e mudando todos os seus planos de uma hora para outra. Aprendi que todas nós somos bonitas e lindas, de maneiras diferentes, sabe? E que talvez essas diferenças possam criar amizades que vão durar para a vida toda. Aprendi - também- que estar solteira não é um pecado, sair para balada e não ficar com ninguém não é um pesadelo. Cada um sabe seu valor e se valoriza da maneira que melhor se encaixa a sua vida.
Logo eu que sempre tive medo de recomeços, acabei gostando e muito desse. Nunca vou chegar a dizer que gostaria de apagar tudo aquilo que eu vivi antes de julho de 2013. Na verdade, isso fez com que eu tivesse força o suficiente para sair de tudo isso e começar a gostar de mim, do meu corpo, bem do jeito que ele é... Eu me lembro que na época uma amiga me mandou uma mensagem com aquela música da Ana Paula Valadão em que dizia " nunca deixe alguém dizer que não é querida, antes de você nascer, Deus sonhou com você" e desde então, no meu coração, eu tenho a certeza de que tudo o que Deus faz é perfeito. Se eu sou uma obra dEle, logo sou perfeita também, e se eu sou perfeita, não há motivo nenhum para ser infeliz.
Pela primeira vez na minha vida eu escolhi me amar e ver dentro de mim um monte de coisas boas, e espero nunca me arrepender disso.

14 comentários:

  1. Que texto maravilhoso. Concordo com você, somos perfeitas mesmo com nossos defeitos, pois assim somos únicas (:
    Tenho certeza que nunca se arrependerá!
    Estou te seguindo <3
    Um beijoo


    Dicas para todas

    ResponderExcluir
  2. Oi linda, amei o seu texto e me tocou bastante. Você escreve muito bem sabia? Você nunca irá se arrepender dessa escolha, pode ter certeza. Gostei muito do seu cantinho e estou te seguindo. Um grande beijo!

    www.sabrinasatil.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Adoreii o texto e me indentifiquei bastante, você não sabe o quanto! ! Parabéns :) Beijos www.carladominic.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Que texto maravilhoso. Amar-se em primeiro lugar temos que nós amar do jeito que nós somos.
    http://www.descrevendonuvens.com/

    ResponderExcluir
  5. Amazing post :)
    Kisses :)

    http://www.itsmetijana.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Linda Lolla! Não sabia de tudo isso. Eu sempre fico brigando comigo mesma e tentando me mudar o tempo todo, mas de ler seu relato e ainda mais com essa letra de música no final eu confesso que me senti tocada! Me identifiquei...

    Beijo, sua linda!

    ResponderExcluir
  7. Oi Lolla, poxa que história. Eu já passei por uma situação parecida, mas por ser muito magra.Não gostava de mim, do meu corpo e ainda tinha que aturar vários comentários desnecessários, eu ficava muito mal por causa disso. Hoje em dia, eu aprendi a lidar com isso e já me aceitei desse jeito, mas as vezes acaba me incomodando.
    Um beijo

    Suellen Esposte Blog | Facebook | Youtube | Instagram

    ResponderExcluir
  8. Meu Deus que historia linda!
    Eu já fui acima do peso , sempre ficava pra baixo com as piadinhas e tudo mais ou quando via alguém que tinha "o corpo ideal" . Resolvi fazer uma dieta e em um mês perdi 15 kg , e o resultado foi o mesmo que o seu ! ficava sem ar facilmente , me sentia sem disposição , sentia dores no estômagos e coisas assim .. era horrível .. pra ajudar sai de um relacionamento e perdi mais e mais peso .. fiquei "o coro e o osso" ..ate que conheci um menino , meu atual namorado (na verdade reencontrei ele , conversa pra outra hora kkk) , e ele foi me colocando pra cima cada vez mais e me mostrou que eu não preciso ser magrelinha pra ser linda ! Hoje eu tenho o peso ideal . Ideal para eu me sentir bem , ideal para minha saúde , ideal para eu ser linda!
    Amei o teu texto (e desculpa pelo comentário enorme so me identifiquei kkkkk)
    Beijos linda
    Histórias e outras Drogas

    ResponderExcluir
  9. Nossa que história hein? Eu sempre fui magra e hoje eu estou um pouquinho ''cheinha'' e as pessoas ficam jogando na cara, sabe? As vezes eu começo a me cobrar muito por isso! :/ adorei seu texto, sua história e graças a Deus você resolveu mudar <3
    beijão
    www.blogbelezamake.com

    ResponderExcluir
  10. Ainda bem que você conseguiu perceber a tempo. Eu nunca fui magérrima, mas tive um corpo normal, com o tempo e a idade passando, ganhei um pouco de peso, mas não sou obesa.
    Big Beijos
    Lulu on the Sky

    ResponderExcluir
  11. Ai, que lindo. Parece que foi escrito pra mim, to me sentindo bem cheinha. Por problemas no joelho tive que parar de malhar e engordei \; Mas ler sua história me fez mt bem. Bjs

    http://www.mayaravieira.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Achei bem legal o post, eu nunca fui magra mas também não fui cheinha mas tento manter a dieta.
    Bjus
    Jaque
    www.quebreiaregra.com.br

    ResponderExcluir
  13. Uau que historia! Fiquei um bom tempo refletindo. Adorei!

    www.karenbartolomeu.com

    ResponderExcluir